Sereia de Ouro


Atalhos


Últimas Notícias


Uma trajetória de dedicação à saúde pública

A médica Lúcia Maria Alcântara de Albuquerque será uma das homenageadas com o 45º Troféu Sereia de Ouro. Além dela, receberão a comenda o engenheiro Cid Ferreira Gomes, o médico Elias Giovani Boutala Salomão e o professor Jesualdo Pereira Farias
Antes de ingressar no curso de Medicina da Universidade Federal do
Ceará (UFC), a então estudante Lúcia Maria Alcântara de Albuquerque já
frequentava o Centro Acadêmico XII de Maio, no campus universitário.
Era movida pela vocação e o interesse pela profissão que abraçou.
Cinquenta anos depois, a médica é referência no tratamento de câncer.
Tanto que o Instituto do Câncer do Ceará, onde a oncologista atua desde
1975, nominou de “Centro de Radioterapia Dra. Lúcia Alcântara” a
unidade do hospital que ela ajudou a construir.
De início, Dra. Lúcia não escolheu a especialidade em oncologia. O
interesse surgiu em paralelo aos primeiros avanços tecnológicos em
prol da radioterapia. Sua carreira médica, desde então, é indissociável
dessa progressão. “Antes, parecia haver pouco a ser feito pelos
pacientes”, recorda. “Hoje, temos uma equipe de médicos e físicos para
tratar uma neoplasia, por exemplo, poupando mais as estruturas
vizinhas do organismo. A história do ICC cresce junto disso. Nós fomos
superando os desafios de uma entidade filantrópica”, orgulha-se.
Com uma passagem pelo Rio de Janeiro, onde fez residência médica no
Instituto Nacional do Câncer, e cursou especialização em radioterapia
pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-RJ), ambas na década de 70,
Dra. Lúcia reverencia o trabalho do ICC na educação. Destaca os cursos
de mestrado e doutorado em cancerologia do Instituto. E exalta a
interdisciplinaridade do tratamento, envolvendo, além dos médicos,
psicólogos, terapeutas ocupacionais, entre outros profissionais da
saúde.
Tratamento
(/)
(http://centraldoassinante.diariodonordeste.com.br/)
 
(/cadernos/cidade) Política (/cadernos/politica) Negócios (/cadernos/negocios)
Entretenimento (/entretenimento)
(http://tv.diariodonordeste.com.br/)
(http://classificados.diariodonordeste.com.br/)
CADERNO 3
(/CADERNOS/CADERNO-3)
24/09/2015 Uma trajetória de dedicação à saúde pública – Caderno 3 – Diário do Nordeste
http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/caderno-3/uma-trajetoria-de-dedicacao-a-saude-publica-1.1393601 2/14
Dra. Lúcia tem a vida pautada como especialista em radioterapia,
reconhecida pela Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Cancerologia. Dedica-se, entre projetos
profissionais, filantrópicos e a rotina familiar, ao Instituto do Câncer do Ceará (ICC), espaço de referência em tratamento
oncológico no Estado.
Voltada à formação e à clínica, ela teve sua carreira marcada por títulos e homenagens. Dentre os mais recentes, em 2005
tomou posse como membro titular da Academia Cearense de Medicina. Em 2009, foi eleita presidente da Rede Feminina do
ICC.
A Rede Feminina, explica ela, movimenta-se no País todo, em apoio aos pacientes em situação econômica desfavorável.
No Ceará, o movimento articula-se pelo projeto Casa Vida, espaço de apoio que abriga temporariamente pacientes
residentes no interior. “Lá, eles têm não só o acompanhamento médico, mas contam também com a assistência
psicológica e nutricional. Aprendi, durante a residência no Rio, a conviver com o sofrimento do paciente e de sua família.
Eles ficam muito marcados pelo diagnóstico, pelo selo da doença. Inauguramos uma nova sede, em novembro. Esperamos
que a sociedade se sensibilize para ajudar: promovemos bazares, festas, para arrecadar recursos e oferecer algo de
melhor para eles”, detalha a médica.
Trajetória familiar
Dra. Lúcia é de uma família de tradição na medicina e na política cearense. O pai, Waldemar Alcântara (1912-1990), médico,
também foi governador, senador, deputado estadual e federal pelo Estado. O irmão, Lúcio Alcântara, seguiu trajetória
similar. Filha de Maria Dolores de Alcântara e Silva, teve três irmãos: Luiza, Lúcio e Lília.
Enquanto vivia no Rio, Dra. Lúcia começou a namorar o engenheiro Antônio Carlos Ponte de Albuquerque, com quem se
casou e teve dois filhos: Ciro e Carlos. “Nos conhecemos ainda no Ceará. Ele foi fazer mestrado em Engenharia no Rio e lá
nos reencontramos”, lembra. Ela admite que conciliar os cuidados com a família e a profissão foi um desafio superado
com esforço. A dedicação à família segue com o tempo que ela passa com os três netos.
Todas as terças, Dra. Lúcia conta que a família se reúne na sede da Fundação Waldemar Alcântara para se confraternizar,
além de discutir projetos e preservar a memória do pai. A instituição é conhecida por sua atuação no campo da cultura. O
espaço, no bairro do São João do Tauape, é o mesmo para onde a família se mudou depois de viver durante anos no São
Gerardo.
A comenda
Dra. Lúcia Maria Alcântara de Albuquerque é o terceiro membro da família a receber o Troféu Sereia de Ouro. Ela faz
questão de lembrar que a comenda foi entregue ao pai, Waldemar, em 1975; e, em 1997, ao irmão Lúcio Alcântara. “Fiquei
admirada por ser contemplada com esta homenagem. Nunca pensei, antes, em receber o prêmio, observando o perfil das
personalidades que já receberam antes”, conta.
“Esse Troféu Sereia de Ouro que recebo não é apenas meu, mas do Instituto do Câncer do Ceará. Desde os fundadores, a
direção, o corpo clínico e, particularmente, a equipe de radioterapia. Também dedico a todos os profissionais de saúde, aos
colaboradores do ICC e aos pacientes, sobretudo os mais humildes, que procuram não só o tratamento, mas o nosso
acolhimento”, declarou.

A médica Lúcia Alcântara: uma vida de combate ao câncer FOTO: Fabiane de Paula

A médica Lúcia Alcântara: uma vida de combate ao câncer FOTO: Fabiane de Paula

A médica Lúcia Maria Alcântara de Albuquerque será uma das homenageadas com o 45º Troféu Sereia de Ouro. Além dela, receberão a comenda o engenheiro Cid Ferreira Gomes, o médico Elias Giovani Boutala Salomão e o professor Jesualdo Pereira Farias

Antes de ingressar no curso de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), a então estudante Lúcia Maria Alcântara de Albuquerque já frequentava o Centro Acadêmico XII de Maio, no campus universitário. Era movida pela vocação e o interesse pela profissão que abraçou. Cinquenta anos depois, a médica é referência no tratamento de câncer. Tanto que o Instituto do Câncer do Ceará, onde a oncologista atua desde 1975, nominou de “Centro de Radioterapia Dra. Lúcia Alcântara” a unidade do hospital que ela ajudou a construir. De início, Dra. Lúcia não escolheu a especialidade em oncologia. O interesse surgiu em paralelo aos primeiros avanços tecnológicos em prol da radioterapia. Sua carreira médica, desde então, é indissociável dessa progressão. “Antes, parecia haver pouco a ser feito pelos pacientes”, recorda. “Hoje, temos uma equipe de médicos e físicos para tratar uma neoplasia, por exemplo, poupando mais as estruturas vizinhas do organismo. A história do ICC cresce junto disso. Nós fomos superando os desafios de uma entidade filantrópica”, orgulha-se.

Com uma passagem pelo Rio de Janeiro, onde fez residência médica no Instituto Nacional do Câncer, e cursou especialização em radioterapia pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-RJ), ambas na década de 70, Dra. Lúcia reverencia o trabalho do ICC na educação. Destaca os cursos de mestrado e doutorado em cancerologia do Instituto. E exalta a interdisciplinaridade do tratamento, envolvendo, além dos médicos, psicólogos, terapeutas ocupacionais, entre outros profissionais da saúde.

Tratamento

Dra. Lúcia tem a vida pautada como especialista em radioterapia, reconhecida pela Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Cancerologia. Dedica-se, entre projetos profissionais, filantrópicos e a rotina familiar, ao Instituto do Câncer do Ceará (ICC), espaço de referência em tratamento oncológico no Estado.

Voltada à formação e à clínica, ela teve sua carreira marcada por títulos e homenagens. Dentre os mais recentes, em 2005 tomou posse como membro titular da Academia Cearense de Medicina. Em 2009, foi eleita presidente da Rede Feminina do ICC.

A Rede Feminina, explica ela, movimenta-se no País todo, em apoio aos pacientes em situação econômica desfavorável. No Ceará, o movimento articula-se pelo projeto Casa Vida, espaço de apoio que abriga temporariamente pacientes residentes no interior. “Lá, eles têm não só o acompanhamento médico, mas contam também com a assistência psicológica e nutricional. Aprendi, durante a residência no Rio, a conviver com o sofrimento do paciente e de sua família. Eles ficam muito marcados pelo diagnóstico, pelo selo da doença. Inauguramos uma nova sede, em novembro. Esperamos que a sociedade se sensibilize para ajudar: promovemos bazares, festas, para arrecadar recursos e oferecer algo de melhor para eles”, detalha a médica.

Trajetória familiar

Dra. Lúcia é de uma família de tradição na medicina e na política cearense. O pai, Waldemar Alcântara (1912-1990), médico, também foi governador, senador, deputado estadual e federal pelo Estado. O irmão, Lúcio Alcântara, seguiu trajetória similar. Filha de Maria Dolores de Alcântara e Silva, teve três irmãos: Luiza, Lúcio e Lília.

Enquanto vivia no Rio, Dra. Lúcia começou a namorar o engenheiro Antônio Carlos Ponte de Albuquerque, com quem se casou e teve dois filhos: Ciro e Carlos. “Nos conhecemos ainda no Ceará. Ele foi fazer mestrado em Engenharia no Rio e lá nos reencontramos”, lembra. Ela admite que conciliar os cuidados com a família e a profissão foi um desafio superado com esforço. A dedicação à família segue com o tempo que ela passa com os três netos.

Todas as terças, Dra. Lúcia conta que a família se reúne na sede da Fundação Waldemar Alcântara para se confraternizar, além de discutir projetos e preservar a memória do pai. A instituição é conhecida por sua atuação no campo da cultura. O espaço, no bairro do São João do Tauape, é o mesmo para onde a família se mudou depois de viver durante anos no São Gerardo.

A comenda

Dra. Lúcia Maria Alcântara de Albuquerque é o terceiro membro da família a receber o Troféu Sereia de Ouro. Ela faz questão de lembrar que a comenda foi entregue ao pai, Waldemar, em 1975; e, em 1997, ao irmão Lúcio Alcântara. “Fiquei admirada por ser contemplada com esta homenagem. Nunca pensei, antes, em receber o prêmio, observando o perfil das personalidades que já receberam antes”, conta.

“Esse Troféu Sereia de Ouro que recebo não é apenas meu, mas do Instituto do Câncer do Ceará. Desde os fundadores, a direção, o corpo clínico e, particularmente, a equipe de radioterapia. Também dedico a todos os profissionais de saúde, aos colaboradores do ICC e aos pacientes, sobretudo os mais humildes, que procuram não só o tratamento, mas o nosso acolhimento”, declarou.



TV Verdes Mares
Sistema Verdes Mares
Praça da Imprensa S/N
Fortaleza, Ceará, 600000 Brasil